28.7.09

ALANIS MORISSETTE




Recebi de um amigo este vídeo. Achei que o devia partilhar. Para o ouvirem por favor desliguem a música do blogue ali na lateral.
Agradeço ao José B. Vieira o envio do vídeo.

PARA OS AMIGOS QUE POR AQUI PASSEM. VOU ESTAR AUSENTE, JÁ QUE O PC VAI HOJE PARA A OFICINA, SEM DATA MARCADA PARA O REGRESSO.

22.7.09

O TERCEIRO FILHO - SEGUNDA FASE - PARTE III


E chegámos à segunda metade do século XX.
Que começa com a morte de Militão Ribeiro na Penitenciária de Lisboa, depois de ter feito uma greve de fome. Ainda em Janeiro o partido comunista perde mais dois militantes. José Martins e José Moreira.
Nesse mesmo mês a Inglaterra reconhece a República popular da China.
E Fevereiro chega com a recusa do governo português à proposta da União Indiana para as negociações de integração do estado português da Índia, como parte integrante do seu território.
Em França os ministros socialistas abandonam o governo e nas eleições da Grã-Bretanha, os trabalhistas são os vencedores.
Em Março, o Congresso Mundial dos Partidários da Paz, defende em Estocolmo a interdição do uso da bomba atómica.
Em Maio inicia-se o julgamento de Álvaro Cunhal, que acaba sendo condenado à prisão perpétua.
Na Seca, a mulher do Manuel está como no ano anterior prestes a dar à luz. Ele anda sorumbático. Teme a vinda de outra rapariga. Interroga-se sobre o que fará se isso acontecer. E chegou o mês de Junho. No dia 4 desse mês é morto em Alcobaça, Alfredo Dias Lima, um destacado membro do partido comunista que organizara uma greve. De 10 a 29 decorrem em Lisboa, as Festas Populares, que retomam o desfile das marchas.
No dia 20 de Junho, dia em que a segunda filha faz 1 ano, precisamente três horas antes, nasce o tão almejado filho. O rapaz esperado desde o primeiro momento enchendo de alegria e orgulho o coração do nosso Manuel.
Nesse dia quase não dormiu. Dividido entre a contemplação do filho, a mulher, que parecia mais cansada que das outras vezes e as duas raparigas, uma extremamente franzina, – não pôde ser amamentada como devia, por causa da nova gravidez – e a mais velha que nem 3 anos tinha, e só queria ver e brincar com o bebé, como se ele fora um boneco. Manuel estava alerta com ela. Lembrava-se do susto que apanhara uns meses atrás, quando fora dar com ela a meter pão na boca da menina, e esta quase sufocada, já a ficar negra. Tivera que lhe pegar pelos pés, virá-la de cabeça para baixo, e dar-lhe umas palmadas, até que por fim saltaram os pedaços de pão. E o pior foi a cara de anjinho da garota, quando disse na sua linguagem ainda a taramelada que “a mana estava a chorar, devia ter fome”. Ficou desarmado sem coragem de a castigar. Mas a partir daí o berço da menina ficou protegido por uma cancela na porta do quarto.
No mês seguinte foi a vez do Varandas ver nascer o seu primeiro rapaz. O Manuel ganhara a aposta por 15 dias.
Em Agosto dá-se uma remodelação do governo, com recuo da ala Marcelista e avanço do grupo Santos Costa.
Na Bélgica, Balduíno presta juramento como regente, e o Conselho da Europa aprova um projecto do Churchill, sobre a criação de um exército europeu.
Em Novembro, estreia em Lisboa, “O Grande Elias” e antes do fim do ano, novos protestos contra o governo, no Congresso dos Homens Católicos, e nos protestos estudantis.
O Natal desse ano não foi um Natal feliz para o nosso Manuel, apesar do rapazinho que tanto desejara. É que a mulher nunca mais fora a mesma desde o parto. Emagrecera imenso, tinha grandes olheiras, parecia estar sempre com dores. Manuel estava muito preocupado.

continua



A QUEM ME DEU NO MÊS PASSADO OS PARABÉNS PELOS MANOS GÉMEOS. REPARARAM? NÃO SÃO GÉMEOS. TÊM UM ANO DE DIFERENÇA...

20.7.09

VAMOS LIMPAR PORTUGAL




Talvez já tenham visto este filme. Pois bem depois de o ver surgiu a ideia de se fazer o mesmo em Portugal. Um grupo de jovens tratou de pôr mãos à obra e o dia está marcado Sábado 31 de Outubro. Se gostarem da ideia de um Portugal mais limpo, e quiserem contribuir para isso, por favor cliquem no selo ali ao lado, e informem-se dos grupos da vossa zona, se não houver grupos ainda na vossa zona, formem vocês o grupo, vejam como podem colaborar em todo o trabalho de logística necessário, (por exemplo, descobrir as lixeiras para recolha do lixo) etc.
Junte-se a este projecto e todos juntos vamos fazer de Portugal um país limpo.

19.7.09

E PORQUE HOJE É DOMINGO...




ESPERO QUE GOSTEM DO PINTOR, QUE PINTA COMO QUEM CONTA UMA HISTÓRIA, E QUE NOS DEIXA EM SUSPENSE ATÉ AO FIM.
BOAS FÉRIAS A QUEM ESTIVER DE FÉRIAS E BOM DOMINGO A TODOS OS QUE POR AQUI PASSAREM.

14.7.09

O TERCEIRO FILHO - SEGUNDA FASE - PARTE II


Estamos a terminar a 1ª metade do Séc. XX. Portugal está em campanha eleitoral e o governo tenta ligar Norton de Matos à oposição, numa tentativa de o desacreditar, que não resulta, já que Carmona também o havia sido. Em Janeiro de 49 Norton de Matos, faz um grande comício no Teatro Avenida em Coimbra, Salgado Zenha, Palma Carlos são dois dos muitos apoiantes ao novo candidato. Mais tarde novo comício no Porto, apoiado por uma multidão de mais de 100.000.
Mais tarde em Lisboa o apoio mantém-se apesar da campanha feita contra ele, através do Rádio Clube Português e do DN.
Na China os comunista conquistam Pequim.
Na Seca, o António muda-se com a mulher e os filhos para uma casa na Telha. Mais longe do Trabalho, mas mais perto da mercearia, da escola, da padaria… E melhor que isso, com electricidade e o chafariz à porta. No Barracão ficou um quarto vago que foi ocupado pelos dois filhos do Aires.
A 12 de Fevereiro, Norton de Matos anuncia a sua desistência, depois de ter mandado queimar os arquivos da candidatura para que não caíssem nas mãos da PIDE.
No dia seguinte, surge no Porto, o Movimento Nacional Democrático, saído dos apoiantes de Norton de Matos, que não concordam com a sua desistência. Nesse mesmo dia, são as eleições, e são presos muitos oposicionistas entre os quais, Mário Soares, Salgado Zenha, e Palma Carlos.
No mês seguinte, de posse de vários documentos descobertos numa casa clandestina, a PIDE carrega em força sobre os dirigentes do PCP.
Álvaro Cunhal e Militão Ribeiro são presos no Luso. Em Lisboa outros dirigentes têm a mesma sorte.
Em Março estreia em Lisboa “A Morgadinha dos Canaviais”
Em Abril, nasce a 2ª filha do Varandas. A mulher do Manuel, vai a caminho do oitavo mês e ele continua aguardando o filho tão desejado.
É proclamada a República da Irlanda, e Portugal está entre os membros fundadores da NATO.
Em Maio, os Soviéticos levantam o Bloqueio a Berlim, e dias depois é instituída a República Federal da Alemanha
E finalmente chegou o mês de Junho, tão ansiado pelo Manuel. E a 20 desse mês veio a segunda decepção. A mulher dava à luz outra menina. A decepção do Manuel foi tão grande que durante dois dias nem ligou à menina.
Em Agosto, há eleições na RFA, e em Setembro é anunciada a primeira explosão atómica na URSS.
No final de Setembro, o Carlos resolve ir trabalhar para a Seca de Alcochete. No barracão ficou mais um quarto vazio para onde foram as filhas do Manuel.
Outubro chega com a República Popular da China em Pequim. A 12 do mesmo mês é criada a República Democrática da Alemanha, e precisamente nesse dia, o Manuel descobre que a mulher está de novo grávida. E renascem-lhe as esperanças do filho homem, pelo qual suspira. Mas a vida está cada dia mais difícil, quatro bocas para alimentar são demais para o que ganha, e ele leva noites a pensar na maneira como conseguir mais dinheiro. Decidido vai falar com o patrão e pede-lhe autorização para cultivar o terreno à volta da casa.
O patrão ri-se. “Se conseguires alguma coisa, que não sejam chorões e silvas, podes ficar com isso. Mas diz-me uma coisa: - Vais regar o terreno com a água salgada do rio, ou com as bilhas de água que a tua mulher vai buscar à Telha?”
Manuel não se importou. Começou por roçar os silvados e os chorões. Depois à volta da casa construiu uma capoeira onde colocou uns quantos pintos, comprados no mercado de Azeitão.
Antes de o ano acabar o Aires muda-se também para uma pequena casa na Telha e o Manuel da Lenha fica sozinho no imenso barracão com a mulher e as filhas.
Em Novembro o Varandas anunciou que a mulher estava outra vez grávida.
E o ano chega ao fim, com Portugal a subscrever a Declaração Universal dos direitos Humanos, ao mesmo tempo que desmantela e prende em Coimbra, o núcleo intelectual do partido comunista.