15.4.12

BLOGAGEM COLETIVA 2ª FASE - DESENCANTO




PAULO



Lá fora, a noite dorme em silêncio.
A madrugada aproveita e vem, pé ante pé para tomar o seu lugar. No céu, sem nuvens, as estrelas observam curiosas. Algures, em qualquer recanto deste nosso universo, alguém abre lentamente uma janela. É um homem. Um homem jovem na idade, que carrega no peito uma angústia que não sabe explicar. Paulo nunca soube explicar o que se passa com ele. Sentir sim. Ele sente cada hora, cada minuto amassado na rotina duma vida que não deseja. Paulo é um homem novo, mas não raras as vezes se sente tão frustrado, que se julga um velho. É um homem culto. Estudou. E completou os seus estudos, na leitura de grandes escritores. Lê muito. E escreve. Escreve belos e amargos textos nos quais deixa impregnado o que lhe vai na alma. Apaixonado e sonhador, Paulo enamorou-se do próprio Amor. Na janela, ele olha sem ver a rua, absorto nos seus pensamentos. Na cama Graça, a mulher dorme. Paulo olha para ela, com um misto de amor e pena:
- Coitada, deve estar muito cansada – murmura entre dentes.
Graça é uma boa mulher. Que ele ama muito. Tem sido uma boa companheira, e deu-lhe dois filhos. Dois filhos por quem ele daria a própria vida. Graças a eles consegue suportar aquela vida insípida, que por vezes ameaça sufocá-lo.
Mas Graça está longe de ser o amor que Paulo tantas vezes idealizara. Ele sonha com uma mulher apaixonada, que tenha os mesmos sonhos, os mesmos anseios, os mesmos desejos. Graça é uma mulher simples, bonita, boa dona de casa, boa mãe, até mesmo boa amante. Mas com ela, ele não pode discutir aquele livro que o entusiasmou, não pode recitar aquele poema do Torga que ele sente como se fora ele a escrever, não pode contar-lhe das vezes, que deixa o seu corpo no emprego, e evade o espírito para outras paragens, outros trabalhos que satisfaçam as suas fantasias. Paulo não sabe se existe no mundo uma mulher como ele deseja. Mas tem uma certeza. Ele gostaria que essa mulher fosse a sua esposa. Volta-se e olha-a.
Mais bonita do que nunca, no abandono do sono, os cabelos soltos espalhados na almofada.
Encheu o peito de ar, suspirou, e fechou a janela. Dirigiu-se para a cama. Graça, acordou, olhou-o surpresa, sorriu e esticando os braços enlaçou o marido e puxou-o para si. E enquanto se perdia nos braços da mulher, Paulo fez o que tantas vezes fazia no emprego. Deixou que o seu espírito se soltasse e voasse para longe. Para um lugar só dele, um lugar que apenas existe nos seus sonhos de homem insatisfeito e desencantado.




Esta é a minha participação na BLOGAGEM COLETIVA ,
promovida pelas amigas

BOM DOMINGO

57 comentários:

Ana Martins disse...

Elvira, boa noite!
E que rica contribuição, gosto dos seus contos, da forma como os conduz e escreve, muito bonito!

Beijinho,
Ana Martins

São disse...

Boa contribuição, como é habitual, rrsss

Bom domingo

Orvalho do Céu disse...

Olá, querida

"Tu és o orvalho que me beija"...
(Meliss)

Em pleno período pascal nos reencontramos para tecer o nosso Desencanto... entrelaçar partilhas de coração a coração...

Nossa!!! Contemplei a cena e me senti no lugar do rapaz... desencantada com ele estou...
Como vc expressou bem o Desencanto!!! Muito bonita a forma de ler o coração humano alheio... com certeza se baseia na própria experiência do Desencanto... é tudo tão real ao ler... Riquíssimo sentimento e profundo o seu relato...

Obrigada por sua participação e nos vemos no próximo mês se Deus quiser!!!
Bjs de Paz e Esperança junto com o meu carinho fraterno

"Meu coração orvalhado
pleno de gratidão,
agradece a Deus"...
(Élys)

LUZ disse...

Bom dia querida Elvira,

Que assombro de texto!
Não se "atreva" a dizer que eu escrevo bem, ouviu menina Elvirinha?
As palavras, ali, soltam-se e dão lugar ao desejo de quem as lê.
Não consegui ficar "sem água na boca".
Ai, Paulo, Paulo! Eu faria com que não te evadisses, faria com que ficasses, permanecesses e "morresses" no horizonte desejado, mas nunca alcançado.

"MALHAS QUE O IMPÉRIO TECE, MAS TODO O MUNDO É COMPOSTO DE MUDANÇA".

Quem sabe, um dia, a esperança, a mudança!

Obrigada pelas palavras sempre ternas e sinceras a propósito do aniversário do meu blogue.

EU JÁ A ACEITEI, COMO VOCÊ É.

PARABÉNS PELO TEXTO, QUE ESCOLHEU PARA A BLOGAGEM COLECTIVA.

Bom Domingo.
Beijos da Luz.

Mary disse...

Existem tantos Paulos como descreveu, que doi de pensar.
Gostei da sua visão do lado masculino, parabéns.
Bjs

Mariangela disse...

Bom dia Elvira!
Que bonito conto!Quantas pessoas vivem situações igual a de Paulo, e quantas mulheres pensam ser amadas...
Abraços e bom domingo!
Mariangela

BlueShell disse...

Muito Bom , Elvira. Com um poder de entrar dentro das pesonagens...uma maravilha...e essa caracyerística de Paulo...de se evadir...oh...tantos o fazem...

Um beijo do tamanho
da galáxia...

BShell

Olinda Melo disse...

Querida Elvira

Um excelente contributo, um conto que toca de perto a realidade. Costuma-se dizer que no coração ninguém manda e quantas vezes deixa-se de dar importância a quem nos ama de verdade e corre-se atrás de sonhos inatingíveis...

Bom domingo.

Bj

Olinda

Eva Sabbado disse...

Elvira, estou participando da blogagem coletiva também e foi assim que conheci teu blog, adorei a oportunidade, muito linda a forma que você deu para o tema, super parabéns, bjos, lindo domingo!

Samir S. Souza disse...

NOSSA!!! WOW...
Que leitura gostosa e que realidade que você fotografou. Muito realista. Nos causa certa sensação de raiva e pena de Paulo e daqueles que o cerca.

Eu não quer ser uma "Graça" da vida e Deus me livre de me tornar um Paulo.

Meus Parabéns.

Peço-te permissão para eu publicar o conto no meu blog no espaço "conto do mês". Grato
Samir

Roseli Pedroso disse...

Elvira que texto maravilhoso sobre o desencanto. Lindo, verdadeiro e poético. Parabéns! Também participo da blogagem e aguardo sua visita. Bjs

lis disse...

Uma participação linda Elvira
De fato, um desencanto que precisa ser camuflado embora haja suas compensações nao deixa de frustrá-lo.
É mais que normal esse tipo de desencanto acontecer, infelizmente.
Fica como o tema -uma amor aos pedaços... rs
Obrigada pela simpatia e atenção
abraço e uma excelente semana

Ângela Coelho disse...

Muito lindo o conto, como todos que escreves.
Beijos.

RUTE disse...

Uau Elvira!
Que texto magnifico e realista.

Há quem diga que não se deve casar com a mulher ou o homem dos nossos sonhos, porque aí o desencanto é maior quando a vida transforma aquela/e mulher ou homem culto com os mesmos gostos, na monotona mulher, ou monotono marido que a vida nos obriga a ser.

Adorei Elvira.
Beijinhos além-mar para você.
Rute

manuela barroso disse...

Querida Elvira,
Esse condão que possui para saber romancear e que se vê já na saga do Manuel, está aqui com mais força e mais realidade porque muito infelizmente deve haver muitos Paulos. E fica um porquê amargo quando nem um nem outro se magoaram. O coração, esse, sim voa nas asas da imaginação!
Ótima prestação. Gostei demais!
Abraço

Leninha disse...

Um desencanto que soubeste tão bem traduzir,em uma interpretação perfeita do pensar masculino.
Decepção....desilusão...vida insípida e sem saída. E as pessoas se acomodam,ou não?

Bjsssss,
Leninha

Geíza Bolognani disse...

Belo conto... mas Deus me livre de um dia estar no lugar dos protagonistas, os desencantados Graça e Paulo.
Bom domingo e até a próxima blogagem.

rosa-branca disse...

Tantos Paulos que existem por aí... Adorei e quase não respirei do principio ao fim. Muito belo. Beijos com carinho

pensandoemfamilia disse...

Bonito seu conto, que nos fala do amor narciso cujo objeto amoroso encontra-se em si mesmo.
É triste, pois não consegue sair de si para se entregar ao outro e vive no desencanto.
bjs

Sandra Portugal disse...

Elvira que lindo conto, tão mais real e corriqueiro do que imaginam nossa vã filosofia.
Parabéns pela inspiração.
bjs Sandra
http://projetandopessoas.blogspot.com//

Valéria disse...

Oi Elvira!
Boa noite! Estou visitando os blogs da BC das meninas. Que triste conto! A insatisfação com a própria vida se reflete em tudo e é muito difícil conviver com ela e cnsigo mesmo.
Beijos!

Andre Mansim disse...

Olá Elvira tudo bem?

Puxa que conto...
Muito bem escrito e com sentimento. Gostei muito.
Porque contribuição? Não foi você quem escreveu?

Um abração!

Suu Munizz disse...

E a vida é assim mesmo,muitas pessoas são como Paulo,vivem em uma realidade diferente daquela em que sonhem viver.
Nem tudo é sempre do jeito que imaginamos,as vezes a tristeza nos acomete,mas que bom que temos momentos de alegria.
Abraço e uma ótima semana Elvira,=)

Luma Rosa disse...

Oh, que terrível esse duplo desencanto!! Mas é a realidade, não é mesmo Elvira? Quantas pessoas que estão nessa situação de ter que viajar para fora de seu corpo, pois onde está não lhe convém.
Obrigada pela participação!! Beijus,

Maria Luiza disse...

Elvira, pensando bem, seu conto é mesmo muito realista e penso que os homens sejam em sua maioria Paulo. Não sabem determinar concretamente seus ideais , não colocam os pés no chão ´porque é mais fácil ficar suspenso nos sonhos! Gostei! Tenho enorme pena de Paulos e Paulas! Grande abraço!

✿ chica disse...

Maravilhoso teu conto e participação!um beijo,linda semana,chica

esteban lob disse...

Hola Elvira:

Hermosa historia, como tantas que emanan de tu blog.


Un beso.

poetaeusou . . . disse...

*
minha amiga,
como é bom fantasiar !
como é bom nos sonhos,
podermos olvidar os
desencantos da realidade !
,
um mar de conchinhas,
deixo,
*

Morena disse...

Ai que lindo! Mas que triste!!!!!!!!

Boa semana
Beijos saltitantes

Georgia disse...

Se tem alguém na blogsfera que sabe escrever contos é você.
Sensível, criativo, inteligente, tudo numa boa escrita.

Vc nao conseguiu abrir o link para ouvir a música com o teu nome?

Deixo o link aqui prá vc.

http://www.obtampons.ca/apology

Te desejo uma semana abencoada.

Bjao

Josy disse...

Olá Elvira, vim ver sua participação e fiquei encantada, apesar de se tratar do tema Desencanto hehe
Vc expressou divinamente o que acontece na vida de muitos casais, adorei o conto, escrito de maneira clara e muito expressiva. Obrigada pela visita e o carinho no seu comentário. Bjos. Uma ótima semana

Luciano A.Santos disse...

Olá Elvira, gosteiu especialmente das participações como a sua, em texto, dá prazer ler, imaginar os momentos, cada ação. Muito bom ;)

Abraços.

Lulu disse...

Muito boa sua participação pela visão do lado masculino. Gostei.
Big Beijos

Lu Souza Brito disse...

Oi Elvira,

Um outro modo de ver. E há tantos homens desencantados por ai. E muitos nem querem uma mulher muito culta ou que saiba dizer o nome dos maiores escritores, mas alguem presente, alguem nao tao exigente, enfim.
Obrigada pela visita ao Lichia Doce

Socorro Melo disse...

Oi, Elvira!

Esta imagem do seu Blog é simplesmente encantadora, rsrs
Bem, sinto pena de pessoas como Paulo. Às vezes, sonham e idealizam tanto, que esquecem de viver o presente, único momento que é de fato nosso.
É raro encontrar a pessoa ideal, pois, todos somos falíveis, diferentes... E a nobreza da vida é justamente conviver harmoniosamente com esta diferença.
Bela participação, viu!

Grande abraço, amiga
Socorro Melo

xunandinha disse...

Belo o seu conto , adorei lÊ-lo,beijinhos

Teresa disse...

Pois é, Elvira, quantas vezes sonhamos com outras coisas, outras pessoas, outros espaços... e às vezes nem sabemos bem definir com o que sonhamos. Só sabemos que não é o que temos!
Bjs

jorge vicente disse...

E será que existe mesmo a mulher dos nossos sonhos?

Muito bom texto, Elvira.

Muitos abraços meus
Jorge Vicente

Eloah disse...

Belo texto! Bela contribuição!
Existem dias em que as sombras passeiam pelo nosso caminho e nos desencantam pela vida.
Em contrapartida cada recomeço é recheado de esperança, de encantamento e de novos sonhos.
Grandes voos querida.Bjs Eloah

Edilma::.. Maria disse...

Oh, Elvira, o Paulo não merece ter uma Graça do lado: ela é boa demais para ele. Ele é do tipo de homem que não sabe o que quer. Paulo é como vários homens que tem por este vasto mundo: perdido, insatisfeito e covarde. Quando sonhamos com outros lugares, outras pessoas é porque não é aquela pessoa do lado que queremos.

Sua visita muito me alegrou. Vamos em frente! Até breve. beijos ;))

Teresinha Ferreira disse...

Olá Elvira,
Que bonito conto! Mas que desencanto!
É a vida, não é mesmo?
Nem sempre as coisas são do jeito que planejamos ou sonhamos.
Boa semana.
Beijos mil

Luís Coelho disse...

Uma história como muitas que se perderam no silêncio das noites em que as estrelas também adormeceram.
Parabéns .

Lina disse...

Olá, Elvira!Quantas pessoas se sentem assim, como o Paulo!Desencantadas com a vida, vivem um universo paralelo que nunca é próximo da realidade. Porquê?Será que a pessoa que não lutou por aquilo que realmente gosta ou será que não sabe realmente daquilo que gosta? Ou gosta de não gostar de nada?Existem pessoas assim, eternamente desencantadas! Gostei do teu texto fez-me refletir e pensar!
Beijinhos

LUZ disse...

Boa noite Elvira,

Fiquei "presa" na imagem, que encima a sua postagem, o seu conto, mas não é, decerto, o Paulo da sua história.
Inventado, conhecido, contado por alguém ou não, retrata casos reais da nossa sociedade.

Permita-me que o analise na estrutura, forma, morfologia, sintaxe e conteúdo.

A estrutura do seu texto é densa, compacta, agradável e ali tudo se desenrola, sequencialmente.
A forma é perfeita. Alguém conta, o narrador, a Elvira, e a maneira como o faz, prende-nos de cima a baixo. A narrativa é aberta, dando espaço ao leitor, para concluir o conto e tirar dele conclusões.
Morfologia e sintaxe excelentes. Eu não o faria tão bem. Sabe pôr o predicado junto do sujeito nas frases, bastante atractivas, por sinal.
Conteúdo é a "cereja" no topo do bolo.

20 VALORES.

Não irei ficar por aqui, quero falar do Paulo, dos muitos Paulos, que por aí existem e Graças, possivelmente.
O personagem do seu conto é um homem, que se encontra fora do seu contexto, do seu "eu". Mas, não sabe, não consegue sair daquela "teia", onde "feliz" e amarguradamente vive.

Culto, sonhador, quer, deseja um ambiente, um mundo, uma mulher, que não aqueles em que vive e que possui.
Penso que o Paulo não ama a Graça. É mãe dos seus dois filhos, tem-lhe afeição e já se acomodou à sua presença.

Mesmo quando, e por iniciativa da Graça, se encontra nos seus braços, talvez, para se fundirem, ele continua distante, no seu mundo, naquele que tanto ama. Empresta-se, somente.

O Paulo merece ser feliz. Precisa de uma luz na sua vida, e essa não virá, certamente, da Graça.

AMOR, SIM. ACOMODAÇÃO E HABITUAÇÃO, NÃO.

Boa semana.
Um beijo de apreço.

Clara disse...

Que triste isso...

Qtas vezes vemos isso acontecer. União de corpos e não de almas...

Lindo texto!

Beijosss

Carol M disse...

Lindo texto!!!

Muito bonita a sua participação.

Beijinhos

Teté disse...

Gostei do teu conto! Mas também tenho ideia que há pessoas que se apaixonam pelo próprio Amor, numa idealização quimérica, o que torna muito mais complicado encontrar a tal "alma gémea" com quem sonham... :)

Pessoas assim, normalmente são desencantadas e insatisfeitas, sem aproveitar bem o que a vida lhes deu! ;)

Beijocas!

Celina disse...

ELVIRA QUE CONTO BEM FEITO. QUANTAS VEZES NOS SENTIMOS ASSIM COMO PAULO TEMOS TUDO, MAIS SENTIMOS FALTA DE ALGO, GOSTEI MUITO PARA MIN ELE E EXCEPICIONAL ,PARABENS AMIGA. ABRAÇOS CELINA

Maria disse...

Querida Elvira:
Gostei muito do conto.
Quantos Paulos, ou Paulas, haverá no mundo?
Quantas pessoas, realizarão os seus sonhos? Acho que, ninguém realiza totalmente os sonhos, ou não haveria sonhos.
O Paulo, vai continuar a sonhar. A vida dele, vai continuar a ser a mesma.
Gosto de sonhar e a Elvirinha, faz-me sempre sonhar.
Beijinho e parabéns, querida.
Maria

Cláudia disse...

Pois é, o desencanto faz parte da nossa vida, quer queiramos quer não. Neste caso o desencanto aliado à insatisfação, a algo que nos faz sentir que queríamos algo mais... o ser humano é eternamente insatisfeito, mas isso às vezes até tem vantagens, não nos deixa acomodar às situações. :)

Claudya R. disse...

Retribuo o comentário no meu blog, e aproveito prá te dar parabéns pelo post! Nos vemos na 3a. fase. bjs

Esplendor da Criação disse...

Olá Elvira.
Que maravilha de conto! Linda e criativa participação! Obrigada pela visita e comenntário no meu blog, bjs.Ieda.

Felipa disse...

Essa Graça seria a mulher ideal para o meu marido, que detesta conversar!
Boa dona de casa e na cama, que mais podia ele desejar? Mas tem-me a mim, que tenho mania das conversas e de o aborrecer com temas enfastiantes, como p.e. livros...

Gostei do conto, fiquei com pena da Graça e o Paulo que ganhe juízo, uma mulher assim não é de deitar fora. Se quer conversas com cultura que frequente tertúlias rsrs
Bj

Lúcia Bezerra de Paiva disse...

São tantos os Paulos e Graças!
Grande contributo, ao blog coletivo.
Muito bom, o texto!

Um abraço, elvira.

Lulú disse...

Olá Elvira
Muito bonito e bem escrito, o seu texto, ou história,ou... é um desencanto da vida, o Paulo quer ter o que não existe, vive de sonhos.
Obrigada por seu comentário lá no meu cantinho.
Beijos
Maria Luiza (Lulú)

Tetê - Sem Neuras disse...

Muito linda a sua participação na BCAP! Desculpe a demora em vir aqui, mas só hoje foi que atualizei o Avaliando a Vida! Bjks e uma boa semana para você! Tetê

Bel Rech disse...

Que desencanto...triste homem que não consegue ver o encanto que tens...
Demorei para postar meus comentários na BC.
Paz e bem