1.8.17

SINFONIA DA MEMÓRIA - PARTE XXII






Quando chegaram, o inspetor Morais, ainda não tinha regressado do almoço, mas tinha deixado ordens para que lhe colhessem as impressões digitais e as comparassem com as de Fernando Monte Real que já lhes tinham sido enviadas de manhã pelo Arquivo Central. Depois de recolhidas e enviadas para os peritos que as iam analisar, eles ficaram a aguardar, até que o policial regressasse o que demorou apenas um quarto de hora. Depois de os cumprimentar, pediu que entrassem no seu gabinete, e explicou-lhes o trabalho de pesquisa já efetuado junto da direção da Orquestra Nova do Porto, que lhes facultara todas as informações sobre o pianista desaparecido juntamente com a sua fotografia, e ou ele tinha um sósia perfeito, ou era realmente a pessoa em questão. Faltava apenas a resposta dos peritos na comparação das impressões digitais mas isso era muito rápido, devia estar a chegar. E chegou cinco minutos mais tarde por fax. Sem qualquer dúvida, ele era o pianista desaparecido em Los Angeles no dia cinco de Dezembro, quando se encontrava em coma no Hospital de S. José em Lisboa, desde o dia três. 
- Um mistério bem cabeludo, - disse o inspetor. Está claro para nós que alguém se quis livrar de si. Assim depois de o abandonarem morto na berma da estrada, - acredito que quem o fez, estava convencido que estaria morto, viajaram para os Estados Unidos com os seus documentos e registaram-se no hotel. Provavelmente quem o fez, viajou de volta para Portugal, com a sua verdadeira identidade. O seu desaparecimento seria comunicado à polícia americana, e o senhor seria sepultado em Portugal como indigente. E se fosse identificado, todas as investigações posteriores diriam que tinha viajado e desaparecido no estrangeiro, pelo que o caso seria arquivado sem solução. O que levaria alguém a elaborar um tal plano é o que temos de descobrir. Ou o senhor está metido com algum gang que já se fartou de si, ou viu alguma coisa que não podia, nem devia ver. Em qualquer dos casos a sua vida não está fácil. Vamos manter segredo sobre o facto de estar vivo. Quem se deu a tanto trabalho para se livrar de si, vai querer acabar o serviço, se souber que está bem de saúde. Vou-lhe pedir que evite aparecer em locais onde possa ser fotografado. Continua em casa da doutora?
- Sim, - disseram os dois em uníssono.
E há algum inconveniente em manter-se lá enquanto dura a investigação?


Bom dia amigos. Férias interrompidas, por três dias. Estou cheia de saudades dos vosso cantinhos. Espero visitar-vos  mais logo.

17 comentários:

Roaquim Rosa disse...

bom dia
vou aproveitar a frase da autora:
- um mistério bem cabeludo.
JAFR

Tintinaine disse...

Espero que a interrupção das férias não seja por motivo de força maior.
Quanto à história está cada vez mais "enredada", o que é bom!

✿ chica disse...

Noooooooooooossa, um enredo bem arquitetado! Vamos aguardando cada vez mais ansiosos!! bjs, chica

Gaja Maria disse...

Que história super interessante. Até já

Fá menor disse...

Estou seguindo com interesse, sempre.

Beeijinhos e boas férias!

Edumanes disse...

O mistério da sinfonia continua. A vida de Fernando pode estar em perigo. Foi alertado pelo Inspector de que deve frequentar o menos possível os lugares públicos, para evitar de ser fotografado. Por isso será melhor continuar no abrigo da doutora. Quem será que o não quer ver neste mundo?

Tenha um bom dia amiga Elvira, um abraço,
Eduardo,

Anete disse...

Superssuspense, uauuuu... Complexidades e investigações...
Vamos adiante e admirando a sua criatividade...
É bom encontrá-la por lá...
Bjs e até breve...

Manu disse...

O certo é que tens futuro se resolveres escrever policiais.
Tudo muito bem engendrado e com pés e cabeça.
Obrigada por teres interrompido as tuas férias para nos visitares, entretanto fico à espera de novos desenvolvimentos.

Beijos Elvira

Rui disse...

Este irei lê-lo de enfiada, Elvira. Deixei passar uma série de capítulos e agora terei que aguardar uma disponibilidade para os ler de seguida !

Abraço

maria disse...

Bem... aguardemos os resultados da investigação, quer no desvendar do mistério quer no relacionamento entre eles:D

lourdes disse...

E o mistério continua.
Quem se quererá livrar do pianista?
Bjs.

Prof. Ms. João Paulo de Oliveira disse...

Cara confrade Elvira Carvalho.
A lambisgoia da Agrado, aquela mexeriqueira mor que tudo sabe e tudo vê, disse que se a saudosa e nobilíssima escritora Agatha Christie (1890-1976) estivesse entre nós ficaria com ciúmes ao saber que tem uma escritora lusitana - também brilhante - do mesmo naipe dela.
Como fico fascinado com as variações linguísticas da nossa amada Língua Portuguesa, porque aprendi que a palavra esquadra, no reino distante além-mar, é utilizada - também - para designar um Distrito Policial!
Será que acertei ao supor que além de renomado pianista, Fernando também é um meliante chefe de uma quadrilha especialista em tráfico internacional de drogas, bem como de uma rede de lenocínio com sede na cidade do Estoril?
Caloroso abraço. Saudações misteriosas.
Até breve...
João Paulo de Oliveira
Um ser vivente em busca do conhecimento e do bem viver, sem véus, sem ranços, com muita imaginação, autenticidade e gozo.

Cantinho da Gaiata disse...

Bom, não faço mínima ideia como isto se vai desenrolar.
Estou a gostar.
Bj

redonda disse...

Não tinha pensado que pudesse ser algo tão complicado, quem poderá querer matá-lo e fazê-lo de forma tão premeditada e má, e porquê?

um beijinho boa interrupção de férias e bom regresso às férias daqui a três/dois dias

Pedro Coimbra disse...

Um policial que vai dar origem a um romance.
Um abraço

SILO LÍRICO - Poemas, Contos, Crônicas e Outras disse...

Cada vez admiro mais seu talento ao enredo sempre em suspense com seguidores sedentos como eu. Parabéns! Espero ser a suspensão das férias motivada não pela minha primeira suspeita - a de força maior por doença. Desejo-te saúde, paz, amor e muita alegria e ânimo para a concatenação do enredo maravilhoso dessa história. Abraço fraterno. Laerte.

Rosemildo Sales Furtado disse...

Será que algum invejoso que quis tomar o lugar dele na orquestra? O Fernando não veio, eu estou aqui. Rsrs.

Abraços,

Furtado