7.8.17

SINFONIA DA MEMÓRIA - PARTE XXVIII



Noite de passagem de ano. Fernando e Helena tinham acabado de adormecer Diogo, e preparavam-se para assistir ao programa televisivo de fim de ano. Não era o melhor programa do mundo, mas por causa do menino não podiam sair. Ela vestia um bonito vestido de lã branco, ele vestia umas calças de ganga, e uma camisola de gola alta também branca. 
- Queres dançar, doutora? Podíamos desligar a televisão e por um CD.
Em resposta ela agarrou no comando e desligou o aparelho. Ele procurou um CD e colocou-o no leitor. Depois pegou na pequena mesa de sala afastou-a para um canto da  mesma.  
- Assim temos espaço, doutora -disse enlaçando-a
 Dançaram durante algum tempo em silêncio, desfrutando do prazer que sentiam, os corpos juntos como se estivessem colados.
-Danças, muito bem, doutora.
- Porque me tratas sempre por doutora? O meu nome é Helena.
Ela parecia amuada. Ele sorriu apertando ainda mais o amplexo.
- Porque gosto. Porque chamar-te doutora, é para mim uma forma de dizer que te amo, sem ninguém mais entender.
- Amas-me? – Perguntou ela erguendo o rosto para o fitar, sentindo que a atmosfera se tornara mais pesada, e o coração lhe queria saltar do peito.
- Amo-te mais do que possas imaginar, mais do que eu mesmo sonhei amar algum dia, E amo o teu filho, como se fosse meu, e vou querer-vos na minha vida para sempre, doutora. Quero casar contigo e acompanhar e proteger o Diogo. E fazer amor contigo e ter filhos contigo, doutora. E espero sinceramente que não te seja de todo indiferente, e que aceites casar com um pianista desmemoriado.
Ela sorriu emocionada. Mal podia falar. Só conseguia pensar, que ele a amava, e que amava também o seu filho. Duas lágrimas rolaram-lhe pela face, e foram morrer na sua boca. E então ela murmurou:
- É claro que aceito. Tenho um fraquinho por pianistas desmemoriados, não sabias?
-Tinha uma leve desconfiança, - disse sorrindo e inclinando-se para a beijar.
Foi um beijo longo, apaixonado a língua dele, invadindo-a exigente. Helena, sentiu-se desfrutada com paixão. Sentiu que o desejo percorria o seu corpo, queimava a sua pele, arrastando-a para um abismo de sensações.  Não resistiu, soltou um gemido e disse-lhe com a sua própria língua, que iria até onde ele a levasse.
E então ele deu-lhe a mão e levou-a para o quarto.



14 comentários:

Isa Sá disse...

A passar por cá para acompanhar a historia e desejar uma ótima semana!

Isabel Sá
Brilhos da Moda

Tintinaine disse...

Era inverno, mas a coisa aqueceu mesmo!

✿ chica disse...

UAU!!Que beleza de encaminhamento estamos vendo! As coisas andando muito bem! beijos, linda semana,chica

Roaquim Rosa disse...

boa tarde
e o que será que se vai passar naquele quarto ??
acho que ninguém sabe !!!
penso que vai recuperar a memória .
JAFR

Edumanes disse...

Está cada dia mais perfeito. Sem parar, continua a paixão, Fernando pegou na mão de Helena, e juntos foram para o quarto dar continuidade à dança. Aquilo é que vai ser toda a noite a dançar, na dança do mete e tira!

Tenha uma boa tarde amiga Elvira, um abraço,
Eduardo.

Berço do Mundo disse...

Para que o final seja completamente feliz, só falta apanhar o malandro que quase o matou.
Beijinho Elvira e continuação de boas férias.
Ruthia d'O Berço do Mundo

Luiza Maciel Nogueira disse...

Como é bom quando esses encontros acontecem e o romance se escuta pelo som do piano na pele.

Beijos!

Silenciosamente ouvindo... disse...


E pronto aconteceu a parte que está sempre

"pendente". A história vai ter um final feliz?

Penso que sim
Bjs.Irene Alves

Zé Povinho disse...

Uma parte da trama já está revelada, falta apenas o desfecho...
Abraço do Zé

Cantinho da Gaiata disse...

Aqueceu mesmo, o que será que vai faltar mais.
Bjs

Pedro Coimbra disse...

Love is in the air.
Abraço

redonda disse...

finalmente!

Rosemildo Sales Furtado disse...

Já estava mais do que na hora, afinal ele já tem ciência de que não é nenhum bandido. Começou a esquentar.

Abraços,

Furtado

aluap Al disse...

;-)